Sábado, 30 de Maio de 2009

 

Sem me dizerem eu sei                                           

Nunca fui hoje não sou                        
Voltar a passar o que passei                    
Por esse caminho não vou                       
               
Não vou porque já de lá venho                  
Não quero voltar a tráz                        
O que eu disse mantenho                
Para mim já tanto faz                           

 

Pensei hoje falar de mim                                

Não achei apropriado                                                    
Vou continuar sempre assim                     
Vivendo o meu próprio fado                      

 

Quem nasce com fado triste
Pode ainda esperanças ter                      
Porque no fado existe
Coisas boas sem se ver

 

Ninguem foge nem que tente
Sem o seu fado viver
Livrar-se dele ninguem pense
Seu fado tem que sofrer

 

Não vejo no fado tristeza
Se o mesmo for bem cantado
Até a propria pobreza
Se senta com ele ao lado

 

Para mim o fado é irmão                               

De quem alegria não tem

Acompanha na solidão

E na alegria também

 

Bem aja quem assim pensa

E que ao fado se arrima

Dizem que logo à nascença

Vem escrita a nossa vida

 

Um dia este fado deixo

Para o além vou partir

O oculto enfrentar

Outro fado vou ouvir

 

 

António Assunção

 


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 10:11
mais sobre mim
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes
pesquisar neste blog
 
Música para sonhar
subscrever feeds
blogs SAPO