Domingo, 27 de Junho de 2010

O Goulinho

É terra linda

É pequenina

Não tens igual

Estas na serra do Açor

És um amor

Em Portugal

Goulinho

És verdejante

O sol é escaldante

Em dias de verão

És um lugar pequenino

Estou contigo

No coração

A tua água

É fresquinha

É Cristalina

Nasce no monte

Venham até ao Goulinho

Beber a água

Da nossa fonte

Oliveira do Hospital

È o meu Concelho

Não há igual

Aldeia das dez

É Freguesia

Do meu Goulinho

Que é Portugal

 

António Assunção

 



publicado por ala-goulinho-poemas às 15:10
Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

Em tempos que já lá vão

O fado cá era assim

Desafiava um amigo

Para cantar ao pé de mim

 

Eu andava lá longe

E ouvi o teu pedido

Por isso vim a correr

Para vir cantar contigo

 

Para vires cantar comigo

Amigo do coração

Dá-me cá um abraço

E um aperto de mão

 

Agora que te abracei

E apertei a tua mão

Continua a desgarrada

Que é a tua obrigação

 

Parece que vens com pressa

Andas mal habituado

Tu andas sempre a correr

Tens aspecto de cansado

 

Muda mas é de conversa

Já me estás a chatear

Não vim para ouvir sermões

Eu vim aqui para cantar

 

Estás a ficar nervoso

E já não tens pedalada

Para inventar a cantiga

Nesta nossa desgarrada

 

Estás-me a provocar

O teu corpo está a pedir

Ainda te vais engasgar

Eu vou-me ficar a rir

 

Vieste aqui para cantar

Mas trazes pedras na mão

Vens armado em cordeiro

Mas o que tu és é leão

 

Estás a falar de feras

Tu és um grande matreiro

Se não te portas como um homem

Levas um pontapé no traseiro

 

Já está a cheirar mal

Essa tua cantoria

É melhor tu ires pregar

Para outra Freguesia

 

Então vou-me despedir

Vou partir eu vou-me embora

Mas espero cá voltar

Numa outra qualquer hora

 

Volta que és bem recebido

Te digo com alegria

Também de ti me despeço

Adeus até qualquer dia

 

Os dois aqui moramos

Neste nosso lindo cantinho

Gostamos da nossa terra

Que se chama o Goulinho

 

António Assunção

 

Fica aqui uma recordação de como se cantava o fado serrano à desgarrada nos bailes no meu Goulinho.

 

 

 

 



publicado por ala-goulinho-poemas às 20:41
Terça-feira, 08 de Junho de 2010

Ó Goulinho Ó Goulinho

Terra da minha paixão

Foi aqui que eu nasci

Estás no meu coração

Ò Goulinho estás na Beira

Na Beira estás no centro

Estás na serra do Açor

Não me sais do pensamento

 

Goulinho terra altaneira

Na encosta cá da serra

Virada ao sol no verão

Goulinho é minha terra

Como é linda a minha serra

Eu gosto da Freguesia

Gosto da gente da terra

É boa tem alegria

 

Eu acordo de manhã

Com o som da passarada

Dão o bom dia ao povo

Numa alegre chilreada

Goulinho és um presépio

Nesta serra de encantar

Até o Menino Jesus

Gostava de cá morar

 

Eu gosto do meu Goulinho

Ouçam bem com atenção

È uma terra pequenina

Mas faz parte da nação

Tem gente trabalhadora

Que gosta da sua serra

Mesmo longe do Goulinho

Não esquece a sua terra

 

Goulinho é terra verde

Nesta verde floresta

Respiramos o ar puro

Não há terra como esta

Goulinho meu paraíso

És bonito sem igual

Uma terra pequenina

No centro de Portugal

 

António Assunção



publicado por ala-goulinho-poemas às 19:42
Domingo, 23 de Maio de 2010

Eu vou dormir eu vou dormir

Eu vou dormir eu vou

Eu vou dormir eu vou dormir

No colo do meu avô

No colo do meu avô

È que eu me sinto bem

Para eu adormecer

eu não quero mais ninguém

 

Eu não quero mais ninguém

Isto já é birra minha

É o meu querido avô

Que me vai por na caminha

E agora na caminha

Um sono eu vou dormir

E quando eu acordar

Vou acordar a sorrir

 

Agora eu já dormi

Estou muito bem disposto

Tirem-me já a fraldinha

Que já não está a meu gosto

Eu sou um lindo bebé

Gosto muito de banhinho

Também gosto do avô

Ele é muito amiguinho

 

Quando eu já for crescido

Já não vou ser embalado

O que eu quero

Podem crer

È o avô a meu lado

Agora neto falo eu

Vou acabar a cantiga

Eu vou ser teu amigo

Até ao resto da vida.

 

 

António Assunção

 

 

 

 

 



publicado por ala-goulinho-poemas às 20:34
Domingo, 25 de Abril de 2010

 

O Goulinho já tem sol nas suas ruas 
Corre a água fresquinha na ribeira 
E com a luz ainda da lua

Já está o Manuel na paragem da carreira 
Também vem a Maria na corrida 
O Joaquim vem mais devagarinho 
E na adega Gabriela está escondida 
Come queijo e bebe um copo de vinho    

               

Uma rosa que já foi roubada 
Cheira bem cheira a Goulinho 
A roseira ali na calçada

Cheira bem cheira a Goulinho 
Um copo de vinho e broa 
Um cabrito no forno assar 
Cheira bem porque é o Goulinho 
Goulinho tem fama de saber amar

 

  

O Goulinho está longe do rio 
O nosso povo vive na solidão 
O inverno a chuva o vento frio 
É o desejo que depressa chegue o verão 
O Goulinho tem sempre um sorriso 
Os rapazes encantam as raparigas 
E ás vezes até perdem o juízo 
Mas elas é que não vão em cantigas

                       

António Assunção



publicado por ala-goulinho-poemas às 15:27
Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010

Nos tempos que já lá vão

O Goulinho dava nas vistas

Sapateiros, Carpinteiros

Alfaiate e Ferreiro

Eram todos bons artistas

Relojoeiro e Maleiro

Eram homens cá da serra

Com sua arte e saber

Davam fama ao meu Goulinho

Engrandeciam a terra

Eram homens de trabalho

Com muitos calos na mão

Conhecidos em toda a serra

Amavam o meu Goulinho

Tinham-no no coração

O meu Goulinho é grande

Nasceu cá grande pintor

Foi professor no Brasil

Ensinou a sua arte

Até lhe chamavam doutor

O Goulinho hoje é rico

Deu ao País professores

Uma geração de saberes

Hoje tem engenheiros

E também alguns Doutores

O Goulinho não morreu

Cresceu foi culturalmente

Sabe honrar o seu passado

A pensar no seu futuro

Vivendo hoje o presente.

 

António Assunção

 

 



publicado por ala-goulinho-poemas às 18:07
Terça-feira, 02 de Fevereiro de 2010

                                        
                                        Criança
                                        Ela dá um beijo ao Pai
                                        Ela dá um beijo á Mãe
                                        Dá um beijo ao Avô
                                        Outro á Avó também
                                        Criança
                                        Quer ser amada
                                        Gosta de ser beijada
                                        Quer o beijinho do Pai
                                        Quer o beijinho da Mãe
                                        Quer o beijinho da Avó
                                        E do Avô também
                                        Criança é para amar
                                        Recebe os beijos do sol
                                        E quer os beijos do Mar
                                        Dá gosto ouvir
                                        Uma criança a cantar
                                        Criança
                                        Gosta de dar
                                        O seu beijinho profundo
                                        Com amor no coração
                                        As crianças
                                        São
                                        O melhor que tem
                                        O Mundo
                                       
                                        António Assunção 
 



publicado por ala-goulinho-poemas às 17:16
Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2010

É PARA TI MARIA

ESTE POEMA DE AMOR

EU TE OFEREÇO ESTAS LINHAS

VINDAS DO MEU CORAÇÃO

VÊM CHEIAS DE CALOR

ESTAS LETRAS

VÊM DA MINHA ALMA

ESCRITAS PELA MINHA MÃO

PARA TI MARIA

NESTA TARDE CALMA

NUM DIA LINDO DE SOL

QUASE UM DIA DE VERÃO

TAL COMO O TEU ROSTO

ÉS UMA ROSA FERFEITA

FEITA POR DEUS

E MUITO A MEU GOSTO

FOSTE ÉS E SEMPRE SERÁS

A MULHER PARA MIM MAIS QUERIDA

QUE SEMPRE ME AMARÁS

HOJE E SEMPRE

ATÉ AO FIM DA VIDA

MARIA JOSE

NOME DOS PAIS DE JESUS

SEMPRE ESTÁS A MEU LADO

PARA MIM TU ÉS A LUZ.

 

 

 

ANTÓNIO ASSUNÇÃO

 

 

 

 

 



publicado por ala-goulinho-poemas às 16:48
Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2010

EU SUBI AO MONTE

PEDI A JESUS

SUA PROTEÇÃO

ABRACEI A CRUZ

EU SUBI AO MONTE

NO CIMO DA SERRA

PEDI A JESUS

PARA ACABAR A GUERRA

EU SUBI AO MONTE

ABRACEI A CRUZ

EU FIQUEI FELIZ

ESTAVA LÁ JESUS

E NAQUELE INSTANTE

NO MONTE SAGRADO

ESTAVA LÁ JESUS

COM OS ANJOS AO LADO

NO CIMO DA SERRA

NA SERRA DAS ESPERANÇAS

PEDI A JESUS

AMOR PARA AS CRIANÇAS

NÃO ME SAI DA MENTE

E ATÉ ME CONSOME

PEDI A JESUS

PARA ACABAR COM A FOME

NO ALTO DO MONTE

JUNTINHO À CRUZ

JESUS ME BENZEU

COM RAIOS DE LUZ

 

ANTÓNIO ASSUNÇÃO

 

 

 

 



publicado por ala-goulinho-poemas às 17:03
Terça-feira, 19 de Janeiro de 2010

À IGREJA FUI UM DIA

DELICIEI MINHA VISTA

A VER A VIRGEM MARIA

AI REZEI E PEDI

PARA UM DIA SER FADISTA

 

 

A VIRGEM COM MEIGO OLHAR

PARECIA ESTAR A DIZER

QUE UM DIA EU IA CANTAR

HONRAR O FADO E O MEU LAR

E FADISTA IRIA SER

 

AO OUVIR ISTO ADOREI

E FIQUEI EMOCIONADO

O FADO EU CANTAREI

UM PAI NOSSO REZAREI

ANTES DE CANTAR O FADO

 

AGORA VIVO CANTANDO

E COM MUITA ALEGRIA

NA IGREJA VOU REZANDO

AGRADECENDO E BEIJANDO

O ROSTO DA VIRGEM MARIA

 

 

 

ANTÓNIO ASSUNÇÃO

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por ala-goulinho-poemas às 17:08
mais sobre mim
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar neste blog
 
Música para sonhar
subscrever feeds
blogs SAPO