Sábado, 15 de Agosto de 2009

                      

                        Nasci numa casa pobre
                        Pobre e sem vintém
                        Tinha amor e carinho
                        Dado por avó e mãe

 

                        Cresci mandaram-me à escola
                        Sacola ao ombro ia a correr
                        Levava uma pedra de louza
                        Para nela escrever

 

                        Fiz a quarta classe
                        Puseram-me a trabalhar
                        Fui ganhar mais uns tostões
                        Para na casa ajudar

 

                        Voluntário fui para a tropa    
                        Paraquedista quis ser
                        A instrução era dura
                        Era preciso aprender

 

                        Nós já éramos amigos
                        Começamos a namorar
                        Logo que regressei da tropa
                        Pensamos então em casar

 

                        Cerimónia muito linda
                        Lá a levei ao altar
                        Com familia e amigos
                        Em fátima fomos casar

 

                        Lá batizamos os dois filhos
                        Foi lá no mesmo altar
                        Aquelas duas crianças
                        Que Deus Senhor nos quis dar

 

                        Governámos nossa vida
                        Eu e ela a trabalhar
                        Muitos sacrificios fizemos
                        Para os filhos educar

 

                        Hoje já são maiores de idade
                        Felizmente bem formados
                        Dão-nos muitas alegrias
                        São nossos filhos amados

 

                        Trinta e quatro anos de casados
                        Estão mesmo completos
                        Com alegrias e tristezas
                        E amor para os nossos netos

 

                        Contei um pouco de mim
                        E da minha mulher
                        Eu mentiroso não sou
                        Acredite quem quizer.


                        António Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 12:08
Maravilhosa estória de vida que devia servir de exemplo para muita gente jovem.
Aqui do Porto a 26 de Agosto de 2009 às 08:53

Que linda história, António!
Amo a poesia e valorizo, especialmente, a poesia popular.
Parabéns.
Abraços.
Maria Lúcia a 7 de Setembro de 2009 às 12:52

mais sobre mim
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog
 
Música para sonhar
blogs SAPO