Sábado, 15 de Agosto de 2009

                      

                        Nasci numa casa pobre
                        Pobre e sem vintém
                        Tinha amor e carinho
                        Dado por avó e mãe

 

                        Cresci mandaram-me à escola
                        Sacola ao ombro ia a correr
                        Levava uma pedra de louza
                        Para nela escrever

 

                        Fiz a quarta classe
                        Puseram-me a trabalhar
                        Fui ganhar mais uns tostões
                        Para na casa ajudar

 

                        Voluntário fui para a tropa    
                        Paraquedista quis ser
                        A instrução era dura
                        Era preciso aprender

 

                        Nós já éramos amigos
                        Começamos a namorar
                        Logo que regressei da tropa
                        Pensamos então em casar

 

                        Cerimónia muito linda
                        Lá a levei ao altar
                        Com familia e amigos
                        Em fátima fomos casar

 

                        Lá batizamos os dois filhos
                        Foi lá no mesmo altar
                        Aquelas duas crianças
                        Que Deus Senhor nos quis dar

 

                        Governámos nossa vida
                        Eu e ela a trabalhar
                        Muitos sacrificios fizemos
                        Para os filhos educar

 

                        Hoje já são maiores de idade
                        Felizmente bem formados
                        Dão-nos muitas alegrias
                        São nossos filhos amados

 

                        Trinta e quatro anos de casados
                        Estão mesmo completos
                        Com alegrias e tristezas
                        E amor para os nossos netos

 

                        Contei um pouco de mim
                        E da minha mulher
                        Eu mentiroso não sou
                        Acredite quem quizer.


                        António Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 12:08
Domingo, 09 de Agosto de 2009

                   
                        Vi um lindo passarinho
                        Pousado numa flor
                        A cantiga que ele cantava
                        Era para nós meu amor

 

                        Gostei de o ouvir cantar
                        Mas que lindo tentilhão
                        Tinha uma penagem tão linda
                        Alegrou meu coração
               
                        Eu pensei logo em ti
                        Pensei na nossa união
                        Quando pedi a teus pais
                        Se me davão tua mão

 

                        Mas que ave tão querida
                        Acabei eu de pensar
                        Coitado do passarinho
                        Que leva a vida a cantar

 

                        Eu fui espreitar o pássaro
                        Foi muito devagarinho
                        Para não o assustar
                        Tinha a companheira no ninho

 

                        Vi dar comer aos passarinhos
                        Que pensamento me ocorreu
                        Vi o casal aos beijinhos
                        Era como tu e eu

 

                        Tanto tanto cansaço
                        Teve aquele passarinho
                        Mais a sua companheira
                        Para fazerem o ninho

 

                        Vamos os dois trabalhar
                        Unidos de mão na mão
                        Quero-te para toda a vida
                        Amor do meu coração

               
                                Antonio Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 12:05
Quinta-feira, 06 de Agosto de 2009

              

                        Goulinho já teve artistas
                        Variadas profissões
                        Ferreiro e alfaite
                        Teve também tecelões

 

                        Foi terra de lavradores
                        Cipriano e Carmindo
                        Trabalhavam toda a semana
                        Descansavam ao domingo

 

                        Cá na serra do Açor
                        O Goulinho era o primeiro
                        Teve muitos bons artistas
                        Nas artes de carpinteiro

 

                        Os sapateiros cá na terra
                        Passavam um mau bocado
                        Faziam calçado novo
                        Arranjavam o usado
               
                        Andavam de terra em terra
                        A recolher o calçado
                        Traziam o estragado
                        Levavam o remendado

 

                        Tivemos cá dois barbeiros
                        Que eram assim assim
                        Faziam barba e cabelo
                        Um era António outro Serafim

 

                        Ó artistas do Goulinho
                        Hoje os vossos sucessores
                        É gente que muito vos horra
                        Alguns deles já são doutores

 

                        Estou aqui numa corrida
                        Eu quero chegar á meta
                        Gostava de ser artista
                        Gostava de ser poeta.


                       

Antonio  Assunção

tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 12:01
Segunda-feira, 03 de Agosto de 2009

   

                As notas pagam as contas
                Com mais ou menos valia
                A caneta escreve a letra
                Para fazer poesia

 

                Os números fazem os preços
                Que podem dar discussão
                Que quase sempre são altos
                Para nós é frustração

 

                O dinheiro faz-nos escravos
                Mas dá-nos alguma alegria
                As letras fazem palavras
                Com sonhos e fantasia

 

                O dinheiro é uma mixórdia
                Os sonhos são utopia
                O dinheiro é discórdia
                Palavras são poesia


               

                Antonio  Assunção

tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 11:58
mais sobre mim
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog
 
Música para sonhar
subscrever feeds
blogs SAPO