Quarta-feira, 24 de Junho de 2009

             

A este mundo cheguei
Com vontade de chorar
Depois de ver minha mãe
A vontade era cantar

 

Minha mãe estáva feliz

Agarrou-me com jeitinho

Encostou-me ao seu peito

Mamei o primeiro leitinho

   

O meu primeiro banho
Senti-me muito mimado
Os carinhos eram tantos
Fiquei todo animado
               
Nasci numa casa pobre
Era humilde a casinha
Não importa como era
Eu senti que era minha

 

Minha mãe me embalava
Com pressa para trabalhar
Quantas vezes me cantou
Com vontade de chorar

 

Um pai eu nunca tive
Um pai que não me educou
Enganou a minha mãe
E depois a abandonou

               
 Antonio Assunção       
                               


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 10:49
Segunda-feira, 15 de Junho de 2009


                Á coisas feias na vida
                A mentira é uma delas
                O inventor da mentira
                Não pode viver sem ela

               

                Será vicio ou maldade
                Ou será má formação
                Quererá ser conhecido
                Pelo nome de aldrabão
       
                A mentira é coisa feia
                Será mesmo até nojento
                Um animal mentiroso
                E  animal pestilhento

               

                Pode causar prejuizos
                Pode causar confusão
                O inventor da mentira
                Espalha difamação

               

                O construtor da mentira
                Tem sempre no penssamento
                Continuar a mentir
                Sempre a toudo momento

          

                A mentira é uma doença  
                Que afecta touda a terra
                Pode colucar um povo
                Até paises em guerra

               

                Acabem lá com a mentira
                Esta é a verdade certa
                Porque mais cedo ou mais tarde
                A mentira é descoberta

 

                Antonio Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 10:26
Segunda-feira, 08 de Junho de 2009


                À festa cá na aldeia
                Estalam foguetes no ar
                Á noite há arraial
                Vou ver a banda tocar
               

                Dançam velhos e novos
                Mas que grande diverção
                Hoje é dia de alegria
                Eu vou comprar um balão
               

                Já lá vem a procissão
                O senhor padre vem á frente
                Logo a seguir os santinhos
                O povo toudo contente
               

                Acabou a procissão
                O povo já dispersou
                Cada um para seu lado
                A festa continuou
               

                Bebe-se um copo de vinho
                E canecas de cerveja
                Come-se um leitão assado
                É festa nada subeija
               

                Agora tocam os bombos
                E tambem as concertinas
                Cantigas ao desafio
                Cada um com suas rimas
               

                Alguns já trocam as pernas
                Outros dizem palavões
                Outros olham para a carteira
                Só sobraram uns tostões.        
               

                Antonio Assunção



publicado por ala-goulinho-poemas às 10:23
Segunda-feira, 01 de Junho de 2009

 

                Quando eu morrer não chores
                Levo-te no coração
                Ficas na terra fica alegre
                Os santos te ajudarão
 

                Quando eu partir não grites
                E não chores por favor
                Por não estar junto de ti
                Tenho por ti muito amor


                A morte nos tira a vida
                Mas nunca nos tira a alma
                Eu não te quero ver triste
                Eu quero que fiques calma
 

                Quando eu descer á terra
                Pensa na minha ascenção
                Vou para o céu vou com Deus
                Os anjos me levarão
 

                O tumulo é uma prisão
                Minha alma não prenderá
                Da terra irá sair
                E para o céu subirá
 

                Vais ficar cá mais um tempo
                A vida é mesmo assim
                Um dia virei-te buscar
                Para vires para o pé de mim

 

                António Assunção

               

 


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 10:20
mais sobre mim
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
25
26
27

28
29
30


pesquisar neste blog
 
Música para sonhar
subscrever feeds
blogs SAPO