Segunda-feira, 27 de Abril de 2009

 

 

O dia estava lindo                      
Confesso estava nervoso                          
Estava á tua espera                     
Estava muito ansioso                   
                                                       
Convidados á espera                    
Demoravas a chegar                                
Eu não queria mostrar                
Estava a desesperar

                     

O tempo passa a correr               
Eu nem quero acreditar                 
Recebo então um sinal                                                 
De que estás mesmo a chegar            
              
Radiante de contente
Eu fico quase a chorar                 
Consigo me conter
Já só te queria beijar

 

O teu vestido é lindo
Tu já estás na igreja
Toda a gente olha para ti
Estou a morrer de inveja

 

Braço dado com o padrinho
Andando num passo lento
A marcha nupcial
Toca neste momento

               

Quando o padre perguntou

Se era nossa vontade

Disseste sim eu também

Nós falámos a verdade

 

 

Alianças abençoadas

Então veio o nosso beijo     

Tudo isso nós queriamos

Era o nosso desejo

 

Acabada a cerimónia

Eu fiquei muito contente

Eu sou teu e tu és minha

Será assim eternamente.

 

 

Antonio Assunção

 

 


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 18:14
Sexta-feira, 24 de Abril de 2009

 


                Devagar eu vou andado
                Eu cá vou devagarinho
                Eu não me quero perder
                Não vou sair do caminho

 

                Meu amor vai devagar  
                É melhor por mim esperar
                Não sei porquê tanta pressa
                Temos tempo de chegar

 

                Mudou o tempo entretanto
                Vê lá bem o meu juizo
                Rio ao ouvir o teu canto
                Choro vendo o teu riso

 

                Dá-me os teus lábios amor
                Que o mundo vai desabar
                O nosso amor em segundos
                Pode mesmo acabar

 

                Este caminho é tão curto
                Ele é mesmo pequenino
                Temos tempo de chegar
                Vamos mais devagarinho


                Antonio Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 18:12
Quarta-feira, 22 de Abril de 2009


                Chorava por te querer
                Por te ter eu choro agora
                Choro só por eu querer
                Estar contigo nesta hora

 

                Passa o tempo a correr
                Quando falas eu te escuto
                Mas nas horas desta vida
                Cada hora é um minuto

 

                Ao estares ao pé de mim
                Eu sou o dono do mundo
                Mas o mundo é tão ruim
                Uma hora é um segundo

 

                Fica aqui ao meu lado
                Não te vás já embora
                Para o meu corpo coitado
                Estar contigo uma hora

 

                Quando deste mundo partir
                Eu não vou escolher a hora
                Quero levar-te comigo
                Deste mundo para fora.

       
                Antonio Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 18:09
Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

 

 

                Conheci uma viuva
                Ainda fresca e viçosa  
                Tinha um corpinho bem feito    
                Estava muito jeitosa

 

                Combinamos um encontro
                Foi mesmo na casa dela
                Eu só lhe queria mostrar
                O que sentia por ela
               
                Cheguei e bati á porta
                A porta logo se abriu
                Logo me mandou entrar
                Com um olhar lindo sorriu

 

                Logo me deu um beijinho
                E  me mandou acentar
                Ofereceu-me uma bebida
                Que era para animar

 

                Eu acendi um cigarro
                E procurei se fumava
                Diz nunca o ter feito
                Mas que o experimentava

 

                Já com o cigarro aceso
                Não chupava nada mal
                Ela chupava tão bem
                Parecia profissional

 

                Abri mais uma garrafa
                A mulher estava louca
                Mal eu tiro a rolha
                Meteu-a logo na boca
               
                Ela alizava a garrafa
                Alizava com a mão
                As festas  já erão  tantas
                Que o vinho caiu ao chão

 

                Já não quiz mais a garrafa
                Tivemos que ir ao pipo
                Foi ai que ela me disse
                Se gostaste cala o bico

 

                Claro que eu gostei
                E segredo vou guardar
                Diz-me lá qual é o dia
                Para eu aqui voltar
               
                Este encontro foi tão bom
                Foi num dia de verão
                Só ao fim de nove meses
                É que rebenta o balão

               
                Antonio Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 18:04
Sábado, 18 de Abril de 2009

 

 

                O povo já está farto
                Dos politicos cá da terra
                Ofendem-se uns aos outros
                Parece que estão em guerra
               
                Não durmam no parlamento
                Que o povo cá fora  vê
                Não façam figuras tristes
                O povo vê na T V
               
                Mostrem o vosso trabalho
                E sejam mais educados
                Não digam palavrões
                Ficamos envergonhados
               
                Sejam melhor que nós
                Mostrem moralidade
                Sejam iguais a nós
                Não queiram imunidade

 

                Tanta gente se governa
                Governa sem trabalhar
                Dizem que é saber
                Para mim é ajeitar

 

                Eu peço a todos vós
                Não digo nada de novo
                Mostrem o vosso saber
                Para bem do nosso povo

 

                Mostrem o vosso civismo
                Ao povo analfabeto
                O povo não é letrado
                Mas é muito correcto.

               


               

Antonio Assunção

               


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 18:02
Quinta-feira, 16 de Abril de 2009

       
        Hoje a vida de um velhinho
        É vida de sofrimento
        Vive sozinho na vida   
        Ás vezes sem alimento


        Muita falta de carinho
        E sem ter com quem falar
        Vive no isolamento
        Passa o dia a recordar
 

        Que mal eu fiz na vida 
        Para ninguem me ligar
        Trabalhei de sol a sol
        E fartei-me de poupar


        Ao recordar tudo isto
        Só me apetece chorar
        Nunca gozei na vida
        Para um tostão poupar


        Hoje dizem que sou velho
        E que só sei chatear
        Sou tratado como um inutil
        Querem me por num lar
 

        São os meus filhos e filhas    
        Que querem é passear
        Dizem não ter paciencia
        Para um velho aturar
 

        Vão ao lar discutem preço
        Dizem não poder pagar
        Só dão a minha reforma
        Mas é só para enganar
 

        Somos familias abastadas
        Cá na nossa região
        A mim todos me conhecem
        E eu não sou aldrabão
 

        Não mal tratem um velhinho
        Pensem bem com atenção
        Que um dia vão ser velhos
        E ninguem vos dá a mão


        Antonio  Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 17:58
Terça-feira, 14 de Abril de 2009

       
                Levas a troucha á cabeça
                Vais lavar a roupa ao rio
                Cuidado não adoeças
                Que hoje está muito frio

 

                Levas um olhar triste
                Só vais a olhar pró chão
                Eu gostava de saber
                O que tens no coração

 

                Esfregas a roupa na pedra
                Não páras nem um momento       
                O rio queria saber
                O que tens no pensamento

 

                Só estás tu e o rio
                Lavas em água corrente
                Maria diz lá ao rio
                O que está na tua mente

 

                Estende a roupa põe ao sol
                Hoje está um lindo dia
                Não revelas o segredo
                Não dizes nada Maria
       
                Água corrente tudo lava
                O rio corre noite e dia
                A má lingua a inveja
                A água não lava Maria
               
                Acabaste de lavar
                E nada disseste ao rio
                Voltaste com teu segredo
                Voltaste cheia de frio

 

                Ao chegar a casa choras
                Tu estás cheia de medo
                Que o teu amor não volte
                Pois é este o teu segredo.

               
                Antonio Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 17:55
mais sobre mim
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
17

19
21
23
25

26
28
29
30


pesquisar neste blog
 
Música para sonhar
subscrever feeds
blogs SAPO