Segunda-feira, 30 de Março de 2009

                Gosto de cantar o fado
                Canta-lo com emoção     
                Ter amigos a meu lado
                Amigos do coração

 

                É dentro de uma taberna
                Que o fado é um vai e vem
                Candieiro á média luz
                É assim que canto bem

 

                É numa taberna antiga
                Lá mesmo fora de portas
                Eu canto o fado antigo
                Nem que seja a horas mortas

 

                Eu sou galinha do campo
                Não sou pássaro de gaiola
                Gosto de ouvir a guitarra
                O bom som duma viola

 

                O Chico quer fechar a porta
                Á Maria cantadeira
                Quer cantar á desgarrada
                Com o Manuel Cabeleira
               
                Cantas tu e canto eu
                Cantamos ambos os dois
                Pois tu vais cantar um fado
                Eu canto outro depois

 

                Está o sol a nascer
                As varinas vão para a ribeira
                Encontram alguns fadistas
                Com uma grande bebedeira

                               

António  Assunção

               


música:

publicado por ala-goulinho-poemas às 19:39
Quarta-feira, 25 de Março de 2009

                Que povo é este que povo
                Que assim é maltratado
                Não consegue ter trabalho
                Um povo desempregado
                Que povo é este que povo
                Um povo tão desgraçado

 

                Que povo é este que povo
                Que empobresse dia a dia
                Que nem consegue ganhar
                Para o pão de cada dia
                Que povo é este que povo
                Um povo que não confia

 

                Que povo é este que povo
                Que mal consegue viver
                Os ricos já têm tanto
                O pobre não tem que comer
                Que povo é este que povo
                Já não sabe o que fazer.


                António assunção

 



publicado por ala-goulinho-poemas às 19:36
Sexta-feira, 20 de Março de 2009

                Um velhinho caminhava  
                Enquanto eu observava
                O andar do pobre velho
                Agarrado a uma bengala
                Lá ia o pobre coitado
                Andando naquela estrada
                Eu a ele me dirigi
                Falei com ele e sorri
                E dei-lhe um pouco de pão
                O velhinho agradeceu
                Sentou-se um pouco e comeu
                Doeu-me o coração
                Quem chega a esta idade
                E vive da caridade
                É tratado como um cão
                Coitado de quem é pobre
                Será sempre mal tratado
                Por quem não tem coração
                O velho me olhou e disse
                Nunca mal tratem os velhos
                Esta vida é muito ingrata
                Vocês hoje têm filhos
                Amanhã terão os netos


                        António Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 19:33
Terça-feira, 17 de Março de 2009

                Á quem diga que vizinhos
                São amigos são leais
                Confesso não acredito
                Estão pertinho de mais

 

                Quando eles falam conosco
                Para eles somos os maiores
                Nós viramos nossas costas
                Passamos a ser os piores

 

                Dizem gostar de ajudar
                Dizem para nós a sorrir
                Quando a ajuda é precisa
                São os primeiros a fugir
       
                Com inveja de vizinho
                Não cresce a minha horta
                Eu quero ver a inveja
                Bem longe da minha porta
                               
                Vizinhos ao pé da porta
                Quando não  sejam leais
                Bom dia uma vez por dia
                Já é conversa de mais


                       

António  Assunção

tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 19:28
Sábado, 14 de Março de 2009

                        Mãe és a mais bela
                        Para mim a mais bonita
                        Gostas de mim eu aposto
                        Para mim mãe infinita
                        És aquela que eu mais gosto

 

                        Um dia ficarás velhinha
                        Gosto de ti podes crêr
                        Gostar de ti nada evita
                        De tu seres para mim
                        Uma mãe sempre bonita

 

                        Serei o teu guardião
                        Como soldado no posto
                        Tu és para mim ó mãe
                        O ser mais belo
                        Com teu enrogado rosto

 

                        Sofreste muito no passado
                        Quem não sabe não acredita
                        O passado foi sofrido
                        O teu amor foi sagrado
                        Para mim mãe és infinita

 

                        Para mim és a mais querida
                        Aquela que me criou
                        E que eu sempre amarei
                        Um dia quando partires
                        Muito por ti chorarei.


                       

António  Assunção

tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 19:24
Quarta-feira, 11 de Março de 2009

                        É o povo quem o diz
                        Eles são todos iguais
                        Fazem troca de cadeiras
                        Para ver quem leva mais
                       
                        Futebol e Politica
                        Andam ambas de mão dada
                        Se no futebol há aldrabiçe
                        A politica é  aldrabada

 

                        Fazem papeis de zangados
                        Lá dentro no parlamento
                        Quando se juntam á mesa
                        As zangas levas o vento

 

                        Eles querem ser respeitados
                        Gritam a uma só voz
                        Eu pergunto se eles têm
                        Algum respeito por nós

 

                        A politicos menos honrados
                        Querem a nossa confiança
                        Dizem ser para bem do povo
                        Querem é encher a pança

 

                        Amigos muito dinheiro
                        Vêm lá da C E E
                        Há muita gente a guarda-lo
                        O zé povinho não é

 

                        O zé povo coitado
                        É sempre o zé pagante
                        Há quem não pague impostos
                        A ideia é dominante

 

                        Para uns democracia
                        Para outros liberdade
                        Para outros anarquia
                        É esta a nossa sociedade

                       
                        António  Assunção


tags:

publicado por ala-goulinho-poemas às 19:18
Quarta-feira, 04 de Março de 2009

        Não esqueças de onde vieste
        Penssa sempre para onde vais
        Nunca esqueças teus amigos
        Muito menos os teus pais

 

        Quem trabalha ganha o pão
        Não come o pão a ninguem
        Quem não ganha o pão que come
        Come sempre o pão de alguem

 

        Ó Portugal meu país
        Diz-me lá o que mais queres
        Tu tens guitarras tens fado
        Também tens lindas mulheres

 

        Vós lá do império
        Prometeis um mundo novo
        Tomem cuidado cretinos
        Não enganem mais o povo

 

        A mosca tem valor
        Até me dá alegria
        Cái no prato do doutor
        Como em qualquer porcaria

 

        Que importa perder a vida
        Combatendo a traição
        A razão mesmo vencida
        Não deixa de ser razão.


        António Assunção



publicado por ala-goulinho-poemas às 19:37
mais sobre mim
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13

15
16
18
19
21

22
23
24
26
27
28

29
31


pesquisar neste blog
 
Música para sonhar
subscrever feeds
blogs SAPO